O Brasil já tem mais de 700 startups de educação, segundo a Associação Brasileira de Startups.  Este foi um dos segmentos  com maior necessidade de transformação durante a pandemia, uma vez que o ensino a distância se tornou uma prática não planejada. Além da adaptação das aulas diárias, outras necessidades surgiram como: avaliação de performance e ensino, adoção de plataformas de transmissão de aulas e a conexão direta com o aluno.

Nesta semana, Educação foi o tema central do iDEXO for TOTVERS, evento dedicado aos colaboradores da TOTVS. Conversamos com dois CEOS de edtechs da nossa comunidade Fernanda Verdolin, da Workalove, e  Adriando Guimarães, da Prova Fácil, sobre como a pandemia tem transformado os desafios da educação. Acompanhe os princpais pontos desta conversa. 

É justamente neste ponto que a startup da empreendedora mineira Fernanda Verdolin pode ajudar. Com a plataforma da Workalove, o aluno pode ter auxílio para pensar em sua vida profissional e entender como seu perfil e o que tem aprendido se encaixam com as necessidades e novas habilidades do mercado de trabalho. 

A solução permite o aumento da empregabilidade dos estudantes, resolvendo o problema da evasão do ensino superior (universidades) e aumento do CAC (custo de aquisição de cliente). Segundo ela, durante a pandemia a procura pela solução da startup não só aumentou como acelerou a adoção. 

Prova a distância é possível?

Um outro ponto que passou a ser preocupante, para quem está no dia a dia do ensino e na gestão dele, é avaliação da performance do aluno e como aplicar provas a distância. Neste ponto, outra startup da comunidade iDEXO se destaca, a Prova Fácil.

A startup, fundada em Belo Horizonte (MG), acompanha o processo de avaliação das instituições do começo ao fim, possibilitando insights e melhorias a cada passo. A ferramenta tem gerado 35% de redução nos custos operacionais. As provas geralmente são processos caros dentro das instituições que, com a ferramenta, passam a ter avaliações totalmente automatizadas e a reduzir custos com papel e com mão de obra para efetuar as correções. Há 70% de diminuição do tempo gasto com correção de provas e 92% de redução nos pedidos de revisão de prova.

“Há três anos, começamos a pesquisa e investir em monitoramento remoto online ( proctoring) para que as instituições pudessem fazer reconhecimento facial dos alunos durante a resolução de uma prova, dando mais segurança para o processo. Com a crise atual, vimos o quanto essa tecnologia é necessária”, explica Adriano Guimarães, CEO da startup. 

E quais aprendizados ficarão depois da pandemia?

Segundo Guimarães, para quem ainda pensava que o ensino a distância era um mito, a necessidade do isolamento mostrou que ele pode ter a mesma efetividade que o presencial desde que haja acesso, insumos e tecnologias adequadas. 

Já Fernanda completa dizendo que as universidades precisarão revisar seus currículos pedagógicos, pois têm o papel de ajudar a transformar alunos com pensamentos ainda mais humanos diante da tecnologia. 

“Desde 2000, com a bolha da internet, a gente precisa aprimorar  a trabalhabilidade – que é a capacidade do indivíduo, por meio dos seus conhecimentos, habilidades e atitudes de desenvolver, gerar renda, trabalho e riqueza, o que se tornou ainda mais relevante com a pandemia. Desta forma, cada ser humano pode se desenvolver seu senso de utilidade e identidade mediante a um trabalho”, finaliza a CEO da Workalove.

A empreendedora, que também é educadora, ressalta que o sentimento de pertencimento em um trabalho é fundamental para realização profissional e psicológica de qualquer pessoa. 

Para acompanhar como a inteligência artificial tem ajudado a aprimorar a plataforma de cursos da Saint Paul Escola de Negócios, tema também abordado durante o iDEXO for TOTVERS, acesse.

EDTECHS

Além da Workalove e Prova Fácil, o iDEXO conta com startups que ajudam em soluções que vão desde transmissão de aulas até análise de perfis de alunos.  Conheça nosso portfólio de EDTECHS:: 

Schoolastic 

Com uso de  inteligência artificial, a plataforma identifica padrões de habilidades e competências em estudantes de todas as faixas etárias, auxiliando professores e coordenadores pedagógicos na criação de estratégias, abordagens  e planos de ações. 

Skore 

Ferramenta criada para substituir os programas de treinamento convencionais. Permite entregas personalizadas para adaptar as iniciativas de aprendizado a qualquer cenário.

Outras duas startups que colaboram com a gestão da educação são Monest e Netshow.me. A primeira  é uma solução de recuperação de crédito, já adotada para instituições de ensino que são clientes TOTVS. Já a NetShow.Me que é uma plataforma de streaming com soluções para gerenciar, distribuir e monetizar conteúdos digitais –  solução que também é de grande utilidade hoje com o mercado educacional, facilitando processos e trazendo novas possibilidades na distribuição do conteúdo.

Assine a nossa newsletter!