A Housi apresentou ao mercado imobiliário um novo conceito que revoluciona a maneira de viver, o da moradia flexível e por assinatura. A startup oferta opções de espaços  mobiliados e decorados, para que você use pelo tempo que precisar, sem burocracias e que já contam com serviços, como água, luz e internet. 

Foi com mais de 10 anos de experiência no mercado imobiliário, que o CEO Alexandre Frankel criou a startup em 2019.  Na época, ele já estava à frente da incorporadora Vitacon e alcançava recordes de vendas e faturamento.

“Entendemos que você pode ter a mesma facilidade de morar assim como chama um carro por aplicativo. Essa é a nossa visão de como vai ser a moradia no futuro”, ressalta. Frankel adiantou para o Blog NUVEM alguns pontos que trará em sua palestra no iDEXO SUMMIT, evento que acontece em 24 de novembro, e tem como foco o protagonismo de profissionais na digitalização de suas áreas, empresas e negócios.

Criada com a proposta de mediar a locação dos apartamentos de uma outra empresa de Frankel, a construtora e incorporadora Vitacon, em pouco mais de um ano, a Housi ampliou seu leque de serviços e, hoje, já oferece unidades na indústria hoteleira e de hospedagem, além de apartamentos residenciais na modalidade de moradia por assinatura. São cerca de 170 mil opções em mais de 100 cidades brasileiras e com expectativa de fechar o ano com 200 mil moradias. 

“Como temos um negócio de sucesso em uma indústria que é muito cheia de paradigmas e status predefinidos, a nossa opção foi criar uma outra empresa. O que nos demandou uma dose de ousadia e pulso firme, se não, não conseguiríamos. Tivemos essa coragem e está sendo uma experiência incrível”, afirma.

Para se ter uma ideia, a Housi registrou um aumento de 327% no número de contratos de moradia no segundo trimestre deste ano, se comparado ao mesmo período de 2020. E um crescimento no volume de buscas no site de 277% entre o primeiro e segundo trimestre de 2021.

A receita do sucesso ainda inclui aliar tecnologia, entendimento sobre o comportamento de consumo e oferecer a melhor experiência para o usuário. “Transformamos a moradia em um modelo transacional. O algoritmo, APIs (Interface de Programação de Aplicações), CRM (Gestão de relacionamento com o cliente), inteligência artificial, tudo é feito por meio de integrações. E não tem como ser diferente para você atingir esse nível de escala“, explica o CEO da Housi.

E aí, ficou curioso para saber mais sobre como Alexandre Frankel decidiu sair de uma curva ascendente para começar uma nova jornada que questiona, inclusive, os modelos anteriores em que ele estava inserido? Participe com a gente do iDEXO SUMMIT 2021! Se inscreva aqui.